Notícias 2018

Seis passos para garantir a presença digital de uma empresa

O mundo tem, hoje, 2,7 bilhões de usuários de redes sociais. Setenta mil vídeos são vistos por segundo no Youtube em todo o mundo. Somente no Brasil, são 120 milhões de usuários ativos no Facebook e 45 milhões no Instagram. Nesse cenário, é imprescindível que as empresas estejam nos meios digitais para falar com um maior número de pessoas. Pensado nisso, como está a presença digital da sua empresa? As pessoas sabem o que a empresa faz ou como encontrá-los? Para falar sobre o assunto, Wanner Cavagnolle, CEO da Wols Design, formado em Publicidade e Propaganda e especializado em Direção de Arte na Argentina, esteve no 5º Encontro de Assessores de Comunicação da Femipa com o workshop “Presença online – como coordenar os mais diferentes canais em uma estrutura enxuta, de baixo custo e que não seja confusa de gerenciar?”.

Segundo o CEO, cada segmento é diferente, e cada caso é um caso. Hoje, o mundo é digital e muda muito rápido. Por isso, não existem fórmulas prontas para mostrar como crescer neste meio. Mas ele mostrou um passo a passo importante que pode ajudar. Veja a seguir:

Primeiro passo – Domínio e URL

O domínio e a URL de uma empresa fazem parte da identidade dela e são tão importantes quanto o nome da marca. O ideal, segundo Cavagnolle, seria ter um mesmo nome para todas as redes sociais e site, para facilitar a vida do usuário. A sugestão dele para as empresas novas é que façam um estudo do domínio para ver se o possível nome também está disponível nas redes sociais. Além disso, e-mail com o domínio da empresa também é importante, porque passa mais profissionalismo.

Segundo passo – Website

De acordo com o publicitário, um dos pontos mais importantes para uma empresa é o seu lugar na internet, porque as buscas dos usuários em ferramentas como o Google levam à empresa e, consequentemente, ao site. Por isso, ele garante que a página é a principal mídia, principalmente por ser o único lugar que a empresa consegue controlar o seu conteúdo. Cavagnolle ressalta, ainda, que para cada caso existe um tipo de site específico, e o site serve como o cartão de visitas, a primeira impressão que o usuário tem da empresa.  Portanto, para que o site atinja seu objetivo, é fundamental que ele seja extremamente estruturado. Além disso, deve-se levar em consideração a chamada para a ação dentro do site, ou seja, colocar elementos que possam levar a pessoa a tomar uma decisão que a empresa quer que ela tome.  Também é importante que o site seja leve de carregar, tenha imagens bonitas e um design que chame a atenção, seja agradável e tenha uma lógica. Vale ressaltar, ainda, que o usuário não espera mais do que cinco segundos para carregar o site, por isso é preciso ter muita atenção.

Terceiro passo – Otimização para mecanismos de buscas (SEO)

De acordo com o publicitário, quando uma empresa resolve criar o seu site, deve levar em consideração alguns fatores, como domínio, tempo de visita dentro do site, tempo de carregamento, entre outros. Esses elementos são fundamentais, porque são eles que fazem o Google a identificar a relevância de um site. Outra característica muito importante é que o site seja responsivo, já que o Google, por exemplo, já começou a banir sites que não são responsivos. Como o tempo que o usuário fica em um site conta para a relevância, o CEO sugere que a empresa ofereça conteúdo relevante, inovador, interessante e bem escrito, porque isso ajuda a prender a atenção do leitor. Ele também garante que o site não pode estar desatualizado, pois o Google muda as diretrizes com frequência.

Quarto passo – Redes sociais

As redes sociais surgiram para se conectar com as pessoas e para que elas possam interagir umas com as outras. No mundo, o publicitário revela que existem milhares de redes sociais, com diferentes objetivos, para diferentes tipos de pessoas. Por isso, é preciso identificar qual a rede social mais relevante para cada empresa. Também é importante disponibilizar informações como localização, dias e horários de funcionamento, para facilitar a busca do usuário e fazer com que ele encontre a empresa. Além disso, é importante ter em mente que cada rede tem o seu público e a sua linguagem.

Quinto passo – E-mail marketing

O e-mail marketing, segundo Cavagnolle, ainda é a “boa e velha estratégia, mas é preciso ser testado para ver se funciona para o negócio”. Na avaliação dele, a ferramenta é interessante, porque as pessoas ainda gostam de receber e-mails, principalmente os mais velhos. Mas, para que se atinja um bom resultado, o publicitário aponta que é importante criar uma estratégia de sequências de e-mails. Quando uma pessoa se cadastra na lista para receber os conteúdos, um bom recurso é enviar uma mensagem de boas-vindas e agradecimento e, a partir disso, fazer uma sequência. Assim, não se perde o foco. De acordo com Cavagnolle, e-mails informativos são os mais acessados, e é fundamental que o conteúdo traga imagens bonitas, e pouco texto, podendo redirecionar para o site. “É como criar uma chamada para que a pessoa entre no site para ler a informação completa, ou seja, uma chamada para ação – dizer para a pessoa o que ela tem que fazer. Quanto mais imperativo você for, mais resultados vai ter”, explicou.

Sexto passo – Anúncios pagos

Existem diversas redes para que a empresa possa fazer o anúncio, como Google (Adwords), Facebook (Facebook Ads), Waze, Twitter, entre outros. O profissional afirma que a decisão de pagar ou não depende do que a empresa quer anunciar, porque é possível delimitar a região, o público, entre outros filtros, “um leque grande de opções”, segundo Cavagnolle. Outra oportunidade é utilizar o remarketing, que identifica o que o usuário procurou e coloca os anúncios nas redes sociais dele sobre o que ele buscou. “É importante para ser lembrado”, disse. Mas ele ressalta: o anúncio deve ser segmentado, levando em consideração a região que a empresa atende, para não se ter perda do investimento. Ele lembra, ainda, que se deve acompanhar os anúncios para saber quando investir mais ou menos, já que existem palavras-chave que são mais caras.

“Tudo isso faz parte do conceito geral sobre como se ter uma boa presença online, mas as empresas devem lembrar que o mundo é muito dinâmico. Isso quer dizer que uma coisa que funciona hoje pode não funcionar mais amanhã. Por isso, é fundamental estar atento ao mercado e às redes, participar de eventos e buscar especialização”, declarou.

Dicas importantes para quem quer ter uma presença online:

– Planeje todas as ações que serão tomadas, porque o planejamento ajuda no que fazer, quando fazer e como fazer;

– Trabalhe com vídeos, porque as pessoas preferem ver vídeo a imagens;

– Não use plataformas que replicam conteúdo nas redes sociais. É melhor publicar um vídeo no Youtube e também no Facebook. Quando a empresa publica um vídeo no Youtube somente e coloca no Facebook apenas um link para o Youtube, a relevância é bem menor neste caso;

– Aproveite o recurso de “histórias” nas principais redes sociais, pois as pessoas adoram as histórias e passam mais tempo vendo isso do que as fotos ou publicações. Além disso, os usuários também gostam de assistir transmissões ao vivo;

– Escolha boas imagens e escreva bons textos para chamar atenção do público;

– Sempre que possível, personalize as coisas. Cada rede social tem a sua linguagem e o seu público. Quanto mais pessoal e mais específico for, melhor;

– Analise os dados que as redes sociais trazem, pois somente assim será possível saber se as ações estão dando certo;

– Não confunda perfil pessoal com perfil profissional.

Foto: Pedro Vieira

Realização

Co-realização