Notícias 2018

Hospitais apresentam iniciativas inovadoras em Recursos Humanos

Cases apresentados pelos hospitais mostram a preocupação com valores humanos e valorização dos profissionais do segmento

O Prêmio Benchmarking Femipa 2018 buscou reconhecer iniciativas inovadoras na área de Recursos Humanos nos hospitais humanitários paranaenses. Na manhã deste dia 15 de março foram apresentados três cases de sucesso no segmento durante o 11º Seminário Femipa. O vencedor da categoria será conhecido na sexta-feira, ao final do evento.

Conheça a seguir as três iniciativas que concorreram à premiação:

Gestar Bem

A maternidade foi o tema escolhido pelo Hospital Erasto Gaetner, de Curitiba, para desenvolver um programa de acolhimento e valorização dos profissionais: o programa Gestar Bem. A instituição tem 92% do seu público atendido pelo SUS no tratamento oncológico.  O objetivo do projeto é fornecer suporte à gestante para que ela consiga conciliar trabalho e gestação. Entre as metas estão: priorizar a saúde da gestante e do bebê, oferecer acolhimento à mãe e o acompanhamento da gestão. A proposta atendeu 44 gestantes entre abril de 2014 e dezembro de 2017.

“Buscamos tranformar esse momento para que ele seja realmente de felicidade e não de insegurança da mãe com relação a se ela será acolhida em seu retorno, se terá seu lugar assegurado e outras incertezas”, explicou a gestora de RH da instituição, Evelin dos Santos. O projeto abrange desde informações e suporte para alimentação adequada, cuidados psicológicos, passando por cuidados com a pele, amamentação, entrega de fraldas e muitos outros temas.

Evelin explicou que, além do acompanhamento durante a gestação, o programa acompanha as mães também no retorno ao trabalho, uma vez que a instituição oferece, por exemplo, creche para os filhos dos colaboradores no próprio espaço físico do hospital até cinco anos de idade.

“A ideia é transformar o mundo, fortalecendo as mulheres e engajando as mulheres, possibilitando a ela se tornar uma profissional segura o que irá se refletir não somente no ambiente profissional, quanto na sua vida pessoal”, completou.

Consolidando Qualidade e Aprimorando Talentos

O projeto do Hospital Ministro Costa Cavalcanti, de Foz do Iguaçu, priorizou a Gestão de Pessoas por Competências em sua proposta “Consolidando Qualidade e Aprimorando Talentos”. A instituição conta com 1.100 funcionário, destes 339 médicos e atende diversos planos de saúde e o Sistema Único de Saúde em alguns segmentos de alta complexidade.

De acordo com o gestor de RH Fernando Cossa, a empresa já tinha o desejo de implantar ferramentas de gestão por competências, mas o alto valor desses programas inviabilizava a iniciativa.  Por meio de um edital de Responsabilidade Social para o qual a instituição se inscreveu e foi selecionada, no entanto, foi possível implantar o programa.

O primeiro passo foi a criação de um Comitê Estratégico de Competências com membros dos níveis de direção do hospital para o início da  Fase I do projeto que teve foco em 130 líderes da instituição. Diversas ações foram realizadas para a divulgação interna e sensibilização do público quanto à importância da medida.

Entre as ações do projeto estivram: estabelecer as competências e indicadores para avaliar os profissionais em cada uma das posições de liderança, com a elaboração de um Perfil Estruturado de Competências. Esse documento, conhecido como PEC, descreve o cargo e suas atividades,  responsabilidades, formação necessária, conhecimentos técnicos e competências desejadas técnicas, de liderança e organizacionais como os respectivos indicadores e pesos de acordo com cada função.

O projeto também contou com um módulo para capacitar os líderes para dar feedbacks negativos e positivos. Dentro do projeto foi estruturado um protocolo para a realização desses feedbacks, que ficam registrados em um sistema informatizado e disponíveis para o momento da avaliação de desempenho.

Já a avaliação em si é composta pela autoavaliação do colaborador, a avaliação do gestor e um consenso entre eles. O resultado é classificado em um sistema de cores que permite ao colaborador e gestores avaliar se o desempenho está acima do esperado (azul), atende plenamente o esperado (verde), parcialmente ou não atende (amarelo e vermelho). “Todas as notas vermelhas e amarelas geram um plano de desenvolvimento do profissional”, esclareceu o gestor.

Entre os resultados da iniciativa estão o recrutamento e seleção com base nos critérios e perfil de cada função, ferramentas para avaliar o desempenho e entrega de resultados e ferramentas para promover a capacitação e o desenvolvimento dos colaboradores da instituição.

Cuidando de quem cuida

O atendimento e acolhimento ao colaborador é o principal objetivo da Central de Apoio ao Funcionário implantada pelo Hospital Pequeno Príncipe, de Curitiba, há 19 anos. A instituição, especializada no atendimento infantil, conta com 2.300 colaboradores e realiza cerca de 300 mil atendimentos ao ano.

“Trabalhar no contexto hospitalar significa conviver com situações de doença e encarar a morte, o luto, o sofrimento cotidianamente. No caso da nossa instituição, que atende crianças, essas condições são potencializadas pelo sofrimento das mães e familiares”, comentou Michele Gomes, representante da instituição. Além do ambiente, as próprias caracteristicas das atividades também oferecem desafios como jornadas de trabalho múltiplas e irregulares, realização de atividades fragmentadas e repetitivas e falta de tempo para o autocuidado.

“Esse panorama pode levar à depressão, insônia, tabagismo, dependência química e até mesmo ao suicídio”, alerta. Pensando nestas condições, foi criada a Central com o objetivo de cuidar e acolher o funcionário de forma humanizada, oferecendo orientação e encaminhamento às suas demandas e benefícios, na forma de programas e serviços que possam melhorar a qualidade de vida.

Nos últimos cinco anos, o setor realizou 233.494 atendimentos, ligados, entre outras questóes a dificuldades socioeconômicas, problemas psicológicos, problemas de relacionamento no trabalho e  necessidade de orientações diversas.

Entre os benefícios ofertados pela instituição aos colaboradores estão plano de saúde, plano odontológico, auxílio-farmácia, creche no ambiente da instituição, adiantamento de 13º salário em qualquer período após avaliação da necessidade, incentivo à arte e cultura e convênios com empresas parceiras. Além disso, a empresa oferece também curso de inglês in company, programa de oportunidades e aquisições (bazar), suporte ao óbito de colaborador e dependente, acompanhamento à internação de filho de colaborador, orientação jurídica e o programa bem-estar (que busca combater a obesidade, hipertensão, diabetes, tabagismo e oferecer acompanhamento na área de saúde mental e para gestantes).

Há ainda, na instituição, o Programa Cores – Controle e Redução do Estresse. Por meio deste projeto os colaboradores têm acesso à nutrição, psicologia, ginástica laboral e atividade física orientada, exames ligados à saúde da mulher, auricoloterapia, quick massage, promoção de saúde e beleza e atividades de integração como festas em datas comemorativas.

Entre os resultados alcançados pela instituição estão a redução do turnover em áreas de foco que variou de 10% a 40%, redução do absenteísmo médico de 24% a 80% e melhoria no índice de retenção de talentos, que é de 80%. Outro indicador importante foi a redução da taxa de frequência de acidentes com afastamento, que caiu 61% nos últimos dez anos.

Fonte: Karla Mendes – Interact Comunicação

Realização

Co-realização